Episódio: Sobre a fé no amanhã

postado em: ARTE, ARTE VISIONÁRIA, MOVIMENTO UTOPIA | 0

 

Conhece-te a Ti Mesmo
Conhece-te a Ti Mesmo, por Tuco Amalfi

 

– Quer saber? Ainda que eu me decepcione com as pessoas ou situações, eu ainda acredito… Talvez ainda mais do que antes, nas pessoas, na vida e na beleza das relações… Por que eu sei, eu sei, que entre tanta gente há corações no mesmo ritmo ou que se encaixam nos compassos. Quantas riquezas estarão escondidas dos olhos dos descrentes, quantas belezas nas idéias de quem sonha?… Quanta vida há em quem não poupa as cores para pintar…

– Vejo o futuro na linha do horizonte… Não sabemos para onde vamos, só temos uma idéia de onde esperamos chegar. No presente, estamos todos compartilhando o mesmo barco e indo juntos para o futuro, querendo ou não o coleguinha por perto, para o mesmo lugar. Quem pensa como eu e quem pensa o oposto. Todo mundo tem uma idéia do lugar ideal, todo mundo quer convencer uns aos outros de que sua idéia de ideal é a melhor: ainda que essa de idéia de ideal contemple a todos ou só a si mesmo. Mas este barco só vai com todo mundo junto, é uma lei da natureza. Por mais que alguns tentem, ninguém vai ditar para onde, não importa quem aqui se julgue ou seja julgado iluminado, quem aqui tenha poder sobre os outros, quem aqui tenha mais dinheiro ou mais sabedoria… chegaremos todos juntos aonde embarcaremos…

– Sendo assim não temos nenhum controle sobre coisa alguma e estamos à deriva? O que faremos? Nada então? Parar de pensar ou lutar, deixar a vida correr como quiser?

– Se pensarmos, nem o vento nem as águas serão inteiramente responsáveis pelo nosso destino, pois depende do peso do barco e de tudo que se faz dentro dele, como se manejam esses elementos naturais externos a ele, da negociação sobre todo e qualquer assunto que seja relativo a todos nós, já que até mesmo decisões particulares afetam a todos… Já que somos todos diferentes e temos idéias diferentes de onde queremos chegar, a matemática é incerta e a cada momento vamos navegar rotas diferentes…

– É… parece que cuidar de tudo o que acontece no barco é de suma importância para que de fato o barco chegue à algum lugar.. Barco com problemas na estrutura é um inconveniente para todos, seja na esfera coletiva ou individual… Por isso a importância de cuidar das nossas estruturas, que seriam nossos recursos naturais e nossa vida social. Há vida e amor aqui, apesar de tudo que acontece, senão o barco já não existiria mais.

– Talvez o que possamos fazer, cada um de nós, é seguir nossas verdades, aceitando as verdades dos outros, tentando encontrar alguma harmonia para que a viagem seja tranquila, e o lugar onde cheguemos seja bom para todos. Talvez o importante seja apenas não se render ao abandono, ao domínio de suas verdades por outros, ou o desconhecimento de si mesmo e suas próprias verdades…

– Mas o que você quer dizer com verdades?

– Verdade, missão, objetivo, meta, propósito… Cada um vai nomear de acordo com seu universo, mas penso que seja aquela fagulha interna, a razão pela qual eu penso estar no mundo, que eu encontro sentido em estar vivo.

– Nesse caso, então, talvez a harmonia então nem queira dizer evitar os conflitos, o antagonismo, ou até o completo não-antagonismo, tenha um papel importante ao tentar colocar cada um de encontro com sua verdade.

– Parece um ciclo, voltamos ao início da conversa! Não há muito que possamos fazer, a não ser o nosso melhor… Já não fazemos isso?

– Fazemos?


Deixe uma resposta